às 21:04:00

Alunos imigrantes são acolhidos no UNIDEP

Acadêmicos vindos do Haiti recebem acompanhamento pedagógico e encaminhamentos para inserção no mercado de trabalho

O Centro Universitário de Pato Branco (UNIDEP) promove ações de acolhimento voltadas a alunos vindos de outros países, em especial a imigrantes haitianos. Entre os setores que atuam nesse sentido, está o Programa de Atendimento ao Discente (Padis), que fornece atendimentos psicológicos e pedagógicos, e o Núcleo de Carreiras, que oportuniza a conexão dos acadêmicos com o mundo do trabalho, por meio de contratações para estágio ou emprego.

Atualmente, dois alunos haitianos, acadêmicos do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, estão sendo acompanhados pelo Padis. “Os atendimentos pedagógicos objetivam contribuir com o desenvolvimento da língua portuguesa de forma oral e escrita, promovendo assim uma maior interação social. Esses acadêmicos são convidados a participar do Grupo de Acolhimento e Apoio Psicoeducativo (GAAP), também para reforçar esse trabalho de socialização”, pontua a pedagoga do Padis, professora Ma. Clarice Silva Santos.

O acadêmico Judson Saintfleur ressalta a importância do acompanhamento do Padis, uma vez que está aprendendo a língua portuguesa a partir desse acolhimento. “Agradeço ao time do Padis que está nos ajudando a encarar o desafio de falar a língua portuguesa com todas as suas normas e padrões. Sou grato, de todo coração, pois esses profissionais fazem um trabalho excepcional e de suma importância”, ressaltou. 

No Núcleo de Carreiras, os alunos têm acesso a oportunidades disponíveis no mercado. “Orientamos os acadêmicos e mediamos o contato com as empresas ofertantes das vagas e, muitas vezes, estreitamos a comunicação entre o estudante e a empresa, por meio da indicação e envio do currículo”, ressalta a coordenadora do Núcleo de Carreiras, professora Ma. Wanda Luquine Elias.

Jean Patrick Antoine, também acadêmico de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, conta que se graduou em Administração no Haiti. Por não conseguir atuar na sua área de formação no Brasil, decidiu fazer uma segunda faculdade. “Tive muitas dificuldades e falta de orientação, assim como problemas para aprender o idioma. Com o apoio do Padis e do Núcleo, consegui me adaptar melhor à língua portuguesa e à cultura de Pato Branco, em que recebi apoio para ingressar no mercado de trabalho. Consegui um emprego e pude recomeçar a minha carreira profissional. Quero me tornar um grande profissional no país”, destacou.

------------

Matéria: Profa. Ma. Jozieli Cardenal Suttili / Jornalista MTB 9268 – PR

Coordenadora da Agência Experimental de Comunicação do UNIDEP

Contato: [email protected]


Fonte: